Esta é a Ditosa Pátria Minha Amada

Esta é a Ditosa Pátria Minha Amada

Paperback

$14.00
View All Available Formats & Editions
Use Standard Shipping. For guaranteed delivery by December 24, use Express or Expedited Shipping.

Product Details

ISBN-13: 9781493797714
Publisher: CreateSpace Publishing
Publication date: 11/17/2013
Pages: 172
Product dimensions: 6.00(w) x 9.00(h) x 0.37(d)

About the Author

Nasce em Olhão, a 15 de Julho de 1938.
Falece em Olhão, a 24 de Julho de 1994.
Poeta, Escritor e Artista Plástico.
Foi na pintura de arte, na poesia e na escrita que Zeca Cruz, assim era tratado entre os amigos, se evidenciou e dignificou a terra onde nasceu. Foi sócio correspondente da sociedade nacional de belas artes, aluno do Colégio Moderno, em Lisboa, onde se iniciou em desenho e pintura e frequentou o 2º ano da Faculdade de Direito de Lisboa. Iniciou a actividade artística em Angola, vindo a enveredar pela reprodução, na tela, de motivos do Algarve típico. Desenvolveu notória actividade pictórica numa relação com o turismo, visando focalizar as traças urbanísticas, na sua genuinidade, como parâmetro de preservação e resistência a excessos duma arquitectura de concepção moderna.
É mencionado no livro "Artes Plásticas de Portugal - O artista seu Mercado", que insere o seu currículo e reproduz um dos seus mais apreciados trabalhos, de óleo sobre tela, cujo motivo é o Arco da Barreta, primeiro prémio da Mocidade Portuguesa nas comemorações henriquinas (1960). Fez acompanhar este seu trabalho de um ensaio sobre a Vida do Infante D. Henrique, cujo livro dedicou aos pais.
Foi sócio da Associação dos Antigos Alunos do Colégio Moderno (Lisboa), Elos de Olhão, Sociedade da Independência de Portugal, Real Associação do Algarve e da União de Cultura Espiritualista de Olhão. Apresentou os seus trabalhos em várias exposições individuais e participou noutras de sinal colectivo, tendo-lhe sido atribuídos um Diploma de Honra numa exposição individual na Casa do Algarve em Almada, com o apoio da edilidade almadense (1989) e uma Menção Honrosa numa colectiva organizada pela Galeria Nova Era, em Faro (1991).
Concluía, quando a morte o surpreendeu, um livro de poesia, abrindo este com um poema intitulado Ditosa Pátria Nossa Amada, que teve a oportunidade de ler ao Duque de Bragança, na Quinta de S. Vicente, em Monchique, por ocasião de um almoço ocorrido em 25 de Abril de 1994, visando o convívio de elementos activos da Real Associação do Algarve.
Como que em despedida, concebeu uma mensagem poética de que transcreve, por mais apelativa, a parte final: "Olhão, minha terra / Que vives no meu coração / Que sinto o teu vibrar, / Tão profundamente nele se encerra... / Dá-me a tua bênção / O teu aroma de mar / Tua eterna Primavera...

Customer Reviews

Most Helpful Customer Reviews

See All Customer Reviews