Multitudinous Heart: Selected Poems: A Bilingual Edition

Multitudinous Heart: Selected Poems: A Bilingual Edition

Paperback(Bilingual edition)

$25.00
View All Available Formats & Editions
Choose Expedited Shipping at checkout for guaranteed delivery by Wednesday, February 20

Product Details

ISBN-13: 9780374535490
Publisher: Farrar, Straus and Giroux
Publication date: 06/23/2015
Edition description: Bilingual edition
Pages: 432
Sales rank: 675,946
Product dimensions: 5.90(w) x 8.90(h) x 1.30(d)

About the Author

Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) was born in a small town in Minas Gerais. While he spent most of his life working as a government bureaucrat, he regarded poetry as his true vocation, and his first book was published in 1930. During six decades of writing, his work went through many phases, transcending styles and schools while being strongly influenced by modernism. Few critics or serious readers would dispute his status as Brazil's greatest poet. Richard Zenith lived in Brazil and France before immigrating to Portugal in 1987. He has translated the poetry of Luís de Camões, Fernando Pessoa, Sophia de Mello Breyner Andresen, and João Cabral de Melo Neto.

Read an Excerpt

Multitudinous Heart

Selected Poems A Bilingual Edition


By Carlos Drummond de Andrade, Richard Zenith

Farrar, Straus and Giroux

Copyright © 2015 Graña Drummond
All rights reserved.
ISBN: 978-0-374-71393-5


CHAPTER 1

ALGUMA POESIA

SOME POETRY

(1930)


    POEMA DE SETE FACES

    Quando nasci, um anjo torto
    desses que vivem na sombra
    disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.

    As casas espiam os homens
    que correm atrás de mulheres.
    A tarde talvez fosse azul,
    não houvesse tantos desejos.

    O bonde passa cheio de pernas:
    pernas brancas pretas amarelas.
    Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.
    Porém meus olhos
    não perguntam nada.

    O homem atrás do bigode
    é sério, simples e forte.
    Quase não conversa.
    Tem poucos, raros amigos
    o homem atrás dos óculos e do bigode.

    Meu Deus, por que me abandonaste
    se sabias que eu não era Deus
    se sabias que eu era fraco.

    Mundo mundo vasto mundo,
    se eu me chamasse Raimundo
    seria uma rima, não seria uma solução.
    Mundo mundo vasto mundo,
    mais vasto é meu coração.

    Eu não devia te dizer
    mas essa lua
    mas esse conhaque
    botam a gente comovido como o diabo.


    SEVEN-SIDED POEM

    When I was born, one of those twisted
    angels who live in the shadows said:
    "Carlos, get ready to be a misfit in life!"

    The houses watch the men
    who chase after women.
    If desire weren't so rampant,
    the afternoon might be blue.

    The passing streetcar's full of legs:
    white and black and yellow legs.
    My heart asks why, my God, so many legs?
    My eyes, however,
    ask no questions.

    The man behind the mustache
    is serious, simple, and strong.
    He hardly ever talks.
    Only a very few are friends
    with the man behind the glasses and mustache.

    My God, why have you forsaken me
    if you knew that I wasn't God,
    if you knew that I was weak.

    World so large, world so wide,
    if my name were Clyde,
    it would be a rhyme but not an answer.
    World so wide, world so large,
    my heart's even larger.

    I shouldn't tell you,
    but this moon
    but this brandy
    make me sentimental as hell.


    INFÂNCIA

    Meu pai montava a cavalo, ia para o campo.
    Minha mãe ficava sentada cosendo.
    Meu irmão pequeno dormia.
    Eu sozinho menino entre mangueiras
    lia a história de Robinson Crusoé,
    comprida história que não acaba mais.

    No meio-dia branco de luz uma voz que aprendeu
    a ninar nos longes da senzala — e nunca se esqueceu
    chamava para o café.
    Café preto que nem a preta velha
    café gostoso
    café bom.

    Minha mãe ficava sentada cosendo
    olhando para mim:
    — Psiu ... Não acorde o menino.
    Para o berço onde pousou um mosquito.
    E dava um suspiro ... que fundo!

    Lá longe meu pai campeava
    no mato sem fim da fazenda.

    E eu não sabia que minha história
    era mais bonita que a de Robinson Crusoé.


    CHILDHOOD

    My father rode off on his horse to the fields.
    My mother sat in a chair and sewed.
    My little brother slept.
    And I, on my own among the mango trees,
    read the story of Robinson Crusoe.
    A long story that never ends.

    In the white light of noon, a voice that learned lullabies
    in shanties from the slave days and never forgot them
    called us for coffee.
    Coffee as black as the old black maid,
    pungent coffee,
    good coffee.

    My mother, still sitting there sewing,
    looked at me:
    "Shhh ... Don't wake the baby."
    Then at the crib where a mosquito had landed.
    She uttered a sigh ... how deep!

    Far away my father was riding
    in the ranch's endless pasture.

    And I didn't know that my story
    was more beautiful than Robinson Crusoe's.


    LAGOA

    Eu não vi o mar.
    Não sei se o mar é bonito,
    não sei se ele é bravo.
    O mar não me importa.

    Eu vi a lagoa.
    A lagoa, sim.
    A lagoa é grande
    e calma também.

    Na chuva de cores
    da tarde que explode
    a lagoa brilha
    a lagoa se pinta
    de todas as cores.
    Eu não vi o mar.
    Eu vi a lagoa ...


    LAKE

    I never saw the sea.
    I don't know if it's pretty,
    I don't know if it's rough.
    The sea doesn't matter to me.

    I saw the lake.
    Yes, the lake.
    The lake is large
    and also calm.

    The rain of colors
    from the exploding afternoon
    makes the lake shimmer
    makes it a lake painted
    by every color.
    I never saw the sea.
    I saw the lake ...


    NO MEIO DO CAMINHO

    No meio do caminho tinha uma pedra
    tinha uma pedra no meio do caminho
    tinha uma pedra
    no meio do caminho tinha uma pedra.

    Nunca me esquecerei desse acontecimento
    na vida de minhas retinas tão fatigadas.
    Nunca me esquecerei que no meio do caminho
    tinha uma pedra
    tinha uma pedra no meio do caminho
    no meio do caminho tinha uma pedra.


    IN THE MIDDLE OF THE ROAD

    In the middle of the road there was a stone
    there was a stone in the middle of the road
    there was a stone
    in the middle of the road there was a stone.

    I will never forget that event
    in the life of my exhausted retinas.
    I will never forget that in the middle of the road
    there was a stone
    there was a stone in the middle of the road
    in the middle of the road there was a stone.


    QUADRILHA

    João amava Teresa que amava Raimundo
    que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
    que não amava ninguém.
    João foi pra os Estados Unidos, Teresa para o convento,
    Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
    Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
    que não tinha entrado na história.


    SQUARE DANCE

    João loved Teresa who loved Raimundo
    who loved Maria who loved Joaquim who loved Lili
    who didn't love anyone.
    João went to the United States, Teresa to a convent,
    Raimundo died in an accident, Maria became a spinster,
    Joaquim committed suicide, and Lili married J. Pinto Fernandes,
    who had nothing to do with the story.


    CORAÇÃO NUMEROSO

    Foi no Rio.
    Eu passeava na Avenida quase meia-noite.
    Bicos de seio batiam nos bicos de luz estrelas inumeráveis.
    Havia a promessa do mar
    e bondes tilintavam,
    abafando o calor
    que soprava no vento
    e o vento vinha de Minas.

    Meus paralíticos sonhos desgosto de viver
    (a vida para mim é vontade de morrer)
    faziam de mim homem-realejo imperturbavelmente
    na Galeria Cruzeiro quente quente
    e como não conhecia ninguém a não ser o doce vento mineiro,
    nenhuma vontade de beber, eu disse: Acabemos com isso.

    Mas tremia na cidade uma fascinação casas compridas
    autos abertos correndo caminho do mar
    voluptuosidade errante do calor
    mil presentes da vida aos homens indiferentes,
    que meu coração bateu forte, meus olhos inúteis choraram.

    O mar batia em meu peito, já não batia no cais.
    A rua acabou, quede as árvores? a cidade sou eu
    a cidade sou eu
    sou eu a cidade
    meu amor.


    MULTITUDINOUS HEART

    It happened in Rio.
    I was walking on the Avenida close to midnight.
    Breasts were bouncing amid lights flashing countless stars.
    The promise of the sea
    and the jangle of streetcars
    tempered the heat
    that wafted in the wind
    and the wind came from Minas Gerais.

    My paralytic dreams the ennui of living
    (life for me is the wish to die)
    reduced me to a human barrel-organ remotely
    in the shopping arcade of the Hotel Avenida sultry sultry
    and since I knew no one, just the soft wind from Minas,
    and didn't feel like drinking, I said: Let's end this.

    But an excitement throbbed in the city its long buildings
    cars with tops down zooming toward the sea
    the sensuously roving heat
    a thousand gifts of life for indifferent people,
    and my heart beat violently, my useless eyes cried.

    The sea was beating in my chest, no longer against the wharf.
    The street ended, where did the trees go? the city is me
    the city is me
    I am the city
    my love.


    NOTA SOCIAL

    O poeta chega na estação.
    O poeta desembarca.
    O poeta toma um auto.
    O poeta vai para o hotel.
    E enquanto ele faz isso
    como qualquer homem da terra,
    uma ovação o persegue
    feito vaia.
    Bandeirolas
    abrem alas.
    Bandas de música. Foguetes.
    Discursos. Povo de chapéu de palha.
    Máquinas fotográficas assestadas.
    Automóveis imóveis.
    Bravos ...
    O poeta está melancólico.

    Numa árvore do passeio público
    (melhoramento da atual administração)
    árvore gorda, prisioneira
    de anúncios coloridos,
    árvore banal, árvore que ninguém vê
    canta uma cigarra.
    Canta uma cigarra que ninguém ouve
    um hino que ninguém aplaude.
    Canta, no sol danado.
    O poeta entra no elevador
    o poeta sobe
    o poeta fecha-se no quarto.

    O poeta está melancólico.


    SOCIAL NOTES

    The poet arrives at the station.
    The poet steps off the train.
    The poet takes a taxi.
    The poet goes to the hotel.
    And as he does all this
    like any earthly man,
    hoorays pursue him
    like hoots.
    Waving pennants
    open up to make way.
    Bands play. There are fireworks.
    Speeches. People in straw hats.
    Cameras ready to click.
    Cars standing still.
    Cheers ...
    The poet is melancholy.

    In a tree on the public promenade
    (laid out by the current administration),
    in a fat tree imprisoned
    by colorful posters,
    in an ordinary tree that no one sees,
    a cicada is singing.
    A cicada that no one hears is singing
    a song that no one applauds.
    It sings, in the blistering sun.
    The poet enters the elevator
    the poet ascends
    the poet shuts himself in his room.

    The poet is melancholy.


    POEMA DA PURIFICAÇÃO

    Depois de tantos combates
    o anjo bom matou o anjo mau
    e jogou seu corpo no rio.

    As águas ficaram tintas
    de um sangue que não descorava
    e os peixes todos morreram.

    Mas uma luz que ninguém soube
    dizer de onde tinha vindo
    apareceu para clarear o mundo,
    e outro anjo pensou a ferida
    do anjo batalhador.


    PURIFICATION POEM

    After many battles
    the good angel killed the bad angel
    and threw his corpse in the river.

    The waters were stained
    by a blood whose red wouldn't fade,
    and the fish all died.

    But one day a light
    from nobody knew where
    arrived to illumine the world,
    and another angel nursed the wound
    of the fighter angel.

CHAPTER 2

BREJO DAS ALMAS

SWAMP OF SOULS

(1934)


    SONETO DA PERDIDA ESPERANÇA

    Perdi o bonde e a esperança.
    Volto pálido para casa.
    A rua é inútil e nenhum auto
    passaria sobre meu corpo.

    Vou subir a ladeira lenta
    em que os caminhos se fundem.
    Todos eles conduzem ao
    princípio do drama e da flora.

    Não sei se estou sofrendo
    ou se é alguém que se diverte
    por que não? na noite escassa

    com um insolúvel flautim.
    Entretanto há muito tempo
    nós gritamos: sim! ao eterno.


    SONNET OF MISSING HOPE

    I missed the streetcar and am missing
    hope. Downhearted, I head
    home. The street is useless,
    and no car would run me over.

    I'll climb the slow slope
    where the paths all come together.
    They all lead back to the beginning
    of the drama and the flora.

    I don't know if I'm suffering
    or if someone's having fun
    (why not?) with a cryptic flute

    on this stingy night. But I know
    that for ages we've been crying
    Yes! to the eternal.


    POEMA PATÉTICO

    Que barulho é esse na escada?
    É o amor que está acabando,
    é o homem que fechou a porta
    e se enforcou na cortina.

    Que barulho é esse na escada?
    É Guiomar que tapou os olhos
    e se assoou com estrondo.
    É a lua imóvel sobre os pratos
    e os metais que brilham na copa.

    Que barulho é esse na escada?
    É a torneira pingando água,
    é o lamento imperceptível
    de alguém que perdeu no jogo
    enquanto a banda de música
    vai baixando, baixando de tom.

    Que barulho é esse na escada?
    É a virgem com um trombone,
    a criança com um tambor,
    o bispo com uma campainha
    e alguém abafando o rumor
    que salta de meu coração.


    EMPATHETIC POEM

    What noise is that on the stairs?
    It's love coming to an end,
    it's the man who shut the door
    and hung himself with the curtain.

    What noise is that on the stairs?
    It's Guiomar covering her eyes
    and blowing her nose like a horn.
    It's the plates and pans in the pantry
    lit up by a still moon.

    What noise is that on the stairs?
    It's the faucet dripping water,
    it's the indiscernible cursing
    of someone who lost the game
    while the music from the band
    keeps getting softer, softer.

    What noise is that on the stairs?
    It's the virgin on a trombone,
    the child beating a drum,
    the bishop ringing a bell,
    and someone stifling the din
    that's leaping from my heart.


    NÃO SE MATE

    Carlos, sossegue, o amor
    é isso que você está vendo:
    hoje beija, amanhã não beija,
    depois de amanhã é domingo
    e segunda-feira ninguém sabe
    o que será.

    Inútil você resistir
    ou mesmo suicidar-se.
    Não se mate, oh não se mate,
    reserve-se todo para
    as bodas que ninguém sabe
    quando virão,
    se é que virão.

    O amor, Carlos, você telúrico,
    a noite passou em você,
    e os recalques se sublimando,
    lá dentro um barulho inefável,
    rezas,
    vitrolas,
    santos que se persignam,
    anúncios do melhor sabão,
    barulho que ninguém sabe
    de quê, praquê.

    Entretanto você caminha
    melancólico e vertical.
    Você é a palmeira, você é o grito
    que ninguém ouviu no teatro
    e as luzes todas se apagam.
    O amor no escuro, não, no claro,
    é sempre triste, meu filho, Carlos,
    mas não diga nada a ninguém,
    ninguém sabe nem saberá.


    DON'T KILL YOURSELF

    Carlos, calm down, love
    is exactly what you're seeing:
    a kiss today, none tomorrow,
    the day after tomorrow's Sunday,
    and Monday no one knows
    what will happen.

    There's no use fretting,
    let alone committing suicide.
    Don't do it, don't kill yourself,
    save yourself, all of you,
    for the wedding to take place
    no one knows when,
    if ever.

    Love spent the night in you,
    Carlos, earthly Carlos,
    and desire, seeking expression,
    stirred an ineffable inner hubbub,
    prayers,
    record players,
    saints crossing themselves,
    ads for the best soap,
    a hubbub about no one knows
    what, or why.

    And you keep walking,
    melancholy and upright.
    You're the palm tree, you're the shout
    no one heard in the theater
    and all the lights went out.
    Love in the dark, no, in daylight,
    is always sad, my dear Carlos,
    but don't tell anyone,
    no one knows or will know.


    SEGREDO

    A poesia é incomunicável.
    Fique torto no seu canto.
    Não ame.

    Ouço dizer que há tiroteio
    ao alcance do nosso corpo.
    É a revolução? o amor?
    Não diga nada.

    Tudo é possível, só eu impossível.
    O mar transborda de peixes.
    Há homens que andam no mar
    como se andassem na rua.
    Não conte.

    Suponha que um anjo de fogo
    varresse a face da terra
    e os homens sacrificados
    pedissem perdão.
    Não peça.


    SECRET

    Poetry can't be communicated.
    Stay knotted up in your corner.
    Don't love.

    I hear there's shooting
    and we're within range.
    Is it the revolution? Love?
    Don't say a thing.

    Everything's possible, only I'm impossible.
    The sea's overflowing with fish.
    There are men who walk on the sea
    as if on the street.
    Don't tell.

    Suppose an angel of fire
    were to sweep the face of the earth
    and the people being sacrificed
    begged for mercy.
    Don't beg.

CHAPTER 3

SENTIMENTO DO MUNDO

FEELING OF THE WORLD

(1940)


    SENTIMENTO DO MUNDO

    Tenho apenas duas mãos
    e o sentimento do mundo,
    mas estou cheio de escravos,
    minhas lembranças escorrem
    e o corpo transige
    na confluência do amor.

    Quando me levantar, o céu
    estará morto e saqueado,
    eu mesmo estarei morto,
    morto meu desejo, morto
    o pântano sem acordes.

    Os camaradas não disseram
    que havia uma guerra
    e era necessário
    trazer fogo e alimento.
    Sinto-me disperso,
    anterior a fronteiras,
    humildemente vos peço
    que me perdoeis.

    Quando os corpos passarem,
    eu ficarei sozinho
    desfiando a recordação
    do sineiro, da viúva e do microscopista
    que habitavam a barraca
    e não foram encontrados
    ao amanhecer

    esse amanhecer
    mais noite que a noite.


(Continues...)

Excerpted from Multitudinous Heart by Carlos Drummond de Andrade, Richard Zenith. Copyright © 2015 Graña Drummond. Excerpted by permission of Farrar, Straus and Giroux.
All rights reserved. No part of this excerpt may be reproduced or reprinted without permission in writing from the publisher.
Excerpts are provided by Dial-A-Book Inc. solely for the personal use of visitors to this web site.

Customer Reviews

Most Helpful Customer Reviews

See All Customer Reviews