2+1

2+1

by Rogério Menezes

NOOK Book(eBook)

$3.99

Available on Compatible NOOK Devices and the free NOOK Apps.
WANT A NOOK?  Explore Now
LEND ME® See Details

Overview

Manoela está morrendo de câncer, Izac agoniza vivendo nas ruas após ter caído em desgraça. Ambos escrevem diários que relembram as respectivas trajetórias até este ponto-limite. À beira do abismo, relembram a montanha-russa da vida, conduzida sobre sobretudo por sexo, obsessões e traumas. Os dois diários são o 2 do título. O 1 é um anexo, um terceiro diário, mas desta vez do passado, que conecta as personagens. Entre os anos 60 e os 2000 em lugares não nomeados, Rogério Menezes apresenta o seu quarto romance, após Meu Nome é Gal, Três Elefantes na Ópera e Um Náufrago que Ri.

Product Details

ISBN-13: 9786587042008
Publisher: Bissau Livros
Publication date: 05/29/2020
Sold by: Bookwire
Format: NOOK Book
Pages: 188
File size: 491 KB

About the Author

O jornalista e escritor Rogério Menezes é 'sertanejo' de origem – nasceu em Mutuípe e passou a infância em Jequié, ambas na Bahia. Viveu em lugares diferentes do país, e ama lugares diferentes do país, a ponto de se considerar soteropolitano, paulistano, brasiliense e carioca. Atuou como repórter e editor em jornais e revistas como O Estado de S. Paulo, Folha da Tarde, Correio Braziliense, A Tarde, Caras e Marie Claire. Autor dos romances Meu Nome é Gal (1984, Editora Codecri), Três Elefantes na Ópera (2001) e Um Náufrago que Ri (2009), ambos pela Editora Record. Publicou o livro de crônicas A Solidão Vai Acabar com Ela (Versal Editores, 2003) e as biografias de Bete Mendes (O Cão e a Rosa) e Ary Fontoura (Entre Rios e Janeiros (2005, Imprensa Oficial de São Paulo). Escreveu a 'Crônica da Cidade', no Correio Braziliense (entre julho de 2000 e novembro de 2002), e 'Coluna Vertebral' (de janeiro de 2017 a agosto de 2019), no jornal e no site do Correio*, de Salvador. No Facebook postou 3 livros ainda inéditos: #calendariorogeriano, #diáriodofimdomundo e #diáriodevidainterior. Começou a escrever na infância em velha máquina Remington, na qual criava historietas rudimentares que foram parar no lixo da história. Estreou na literatura aos 18 anos, quando publicou os contos 'Chico Viris' e 'Eu, Sociedade Anônima', no Caderno Azul do Jornal da Bahia, nos anos 1970.

Customer Reviews